25/03/2020 às 09h46min - Atualizada em 25/03/2020 às 09h46min

Bastidores: Pronunciamento de Bolsonaro foi feito com ajuda de Carlos e 'gabinete do ódio'

A decisão de falar à nação foi tomada após as reuniões com os governadores do Sul e do Centro-Oeste

Clic Paraná
Estadão
© Presidência da República / Divulgação O presidente Jair Bolsonaro em pronunciamento nesta terça-feira, 24
O pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro na noite desta terça-feira, 24, pegou de surpresa integrantes do Palácio do Planalto. O discurso, em que pediu ofim do “confinamento em massa” diante da escalada da pandemia do coronavírus, foi preparado no gabinete do presidente com a participação de poucas pessoas e em segredo. O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), considerado o mais radical do clã, participou da elaboração do texto.
 

Também estavam presentes, segundo o Estado apurou, integrantes do “gabinete do ódio”, onde atuam assessores responsáveis pelas redes sociais pessoais do presidente e ligados a Carlos.

Até o final da tarde, poucos auxiliares sabiam que Bolsonaro preparava uma declaração em cadeia de rádio e televisão. A decisão de falar à nação foi tomada após as reuniões com os governadores do Sul e do Centro-Oeste. A gravação foi feita à tarde.

O presidente vinha sendo elogiado dentro do próprio governo por se abrir ao diálogo com os governadores e sinalizar uma mudança de postura sobre os efeitos da covid-19, que já matou 46 pessoas no país. O pronunciamento, no entanto, surpreendeu negativamente auxiliares do Planalto que viram um retrocesso na posição de Bolsonaro.

Na fala, o presidente defendeu a reabertura do comércio e das escolas. Segundo ele, a imprensa foi responsável por passar à população uma “sensação de pavor” e potencializou o “cenário de histeria.”

Reprodutor de vídeo de: YouTube (Política de Privacidade)

O presidente disse ainda que, caso contraísse o coronavírus, ele não sentiria nenhum efeito por ter "histórico de atleta". Bolsonaro viajou aos Estados Unidos com ao menos 23 pessoas que tiveram diagnóstico positivo para a doença. Há duas semanas, o Estado pede os resultados dos seus exames para covid-19, mas não obtém resposta.

Durante o pronunciamento, Bolsonaro foi alvo de panelaços em ao menos dez capitais. Após o discursos, as críticas ao presidente estiveram entre os assuntos mais comentados do Twitter.

O pronunciamento de Bolsonaro tem semelhanças com a narrativa adotada por seus filhos e apoiadores nas redes sociais. No discurso, há uma referência ao médico Dráuzio Varella, que passou a ser alvo dos bolsonaristas.

“No meu caso particular, pelo meu histórico de atleta, caso fosse contaminado pelo vírus, não precisaria me preocupar, nada sentiria ou seria, quando muito, acometido de uma gripezinha ou resfriadinho, como bem disse aquele conhecido médico daquela conhecida televisão”, disse Bolsonaro sem citar a TV Globo, onde Dráuzio apresenta quadros sobre saúde no “Fantástico.”

No final de semana, apoiadores do presidente, incluindo seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, postaram um vídeo gravado em janeiro pelo médico falando sobre o coronavírus. Na época, não havia casos de covid-19 no Brasil. As postagens foram apagadas do Twitter por violar regras da rede social.

O discurso também fez ataques à imprensa e voltou a citar a cloroquina, remédio que ainda não tem a eficácia contra a nova doença, a covid-19.

 

 
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Moeda Valor
Servidor Indisponível ...