02/09/2022 às 16h09min - Atualizada em 04/09/2022 às 03h00min

Brasil registra mais de 1 milhão de novas empresas em 2022

Boletim traz dados do crescimento de abertura de empresas no primeiro quadrimestre do ano; empresário comenta estratégias para manter negócio em funcionamento

DINO


De acordo com dados coletados pelo boletim Mapa das Empresas e divulgados pela Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia em junho de 2022, o primeiro quadrimestre do ano registrou a abertura de mais de 1,3 milhão de empresas no Brasil, totalizando mais de 19 milhões de organizações ativas. 

Segundo o boletim, 99% das corporações brasileiras são representadas pelas micro e pequenas empresas (MPEs), o que representa 27% do Produto Interno Bruto (PIB) do país. De certa forma, um dos principais agentes para que tal crescimento acontecesse foi a crise econômica causada pela pandemia de Covid-19 em 2020, fazendo com que os brasileiros buscassem novas opções de negócios próprios, uma vez que a taxa de desemprego chegou a 14,4% naquele ano. 

Em contrapartida aos números apresentados, o Mapa trouxe, ainda, o dado de que, em relação ao mesmo período do ano anterior, a temporada de 2022 registrou 3,2% a menos de novas empresas, assim como aumentou 23% na estatística de quantas organizações fecharam as portas no primeiro quadrimestre do ano em relação a 2021. Para Mateus Evangelista, consultor administrativo e financeiro, o principal motivo que leva empresas e empreendedores a encerrar seus negócios precocemente é a falta de conhecimento do mercado.

“Vejo muitos novos empreendedores abrindo seus negócios sem um mínimo de entendimento em gestão, finanças, vendas e marketing e, apesar de hoje em dia o processo de abertura de MEI ou MPEs estar muito mais acessível e desburocratizado, sei o quanto é complexo manter um negócio em funcionamento, principalmente nos primeiros anos”, relata Evangelista.

Para o especialista, algumas estratégias visam auxiliar novos empresários, evitando que o fim do negócio aconteça. A ferramenta SMART, por exemplo, tem por objetivo fazer com que o empreendedor exponha suas metas de forma específica, mensurável, atingível, relevante e temporal. 

“Outra ferramenta que gosto é a análise SWOT, na qual devem ser analisados quatro pontos diferentes da empresa: as forças do negócio, as fraquezas, as oportunidades e as ameaças, a partir disso, é possível traçar um plano de negócio estruturado". complementa. 

Evangelista ainda ressalta que, contar com um consultor especializado no início do empreendimento, pode fazer a diferença para o futuro da corporação. “No momento em que é notado a falta de conhecimento, recursos ou educação, contar com o auxílio de um especialista pode ser a chave para que o negócio caminhe corretamente”, diz. 

Para ele, um consultor experiente visa fortalecer as operações, elaborar estratégias para diminuir as despesas e aumentar os lucros, e até mesmo criar um ambiente mais confortável de trabalho. 

Um estudo realizado pela empresa Contabilizei, a partir de dados da Receita Federal, mostra que a expectativa do setor do empresariado brasileiro é de que haja mais de 4 milhões de abertura de empresas em 2023. 

O empresário e consultor finaliza dizendo que o fato desse mercado estar crescendo tanto é de extrema importância para a economia brasileira. Porém, ressalta, “é importante que esses novos empresários tracem um plano de negócios viável e acompanhem o Balanço Patrimonial e a DRE de seus negócios, evitando que o número de abertura seja inferior ao número de fechamento de empresas”. 

Notícias Relacionadas »
Comentários »